Justiça do Rio Grande do Sul acatou pedido de indenização após mulher ser discriminada por sua orientação sexual

 

Publicado em 26/06/2019 por guiagaysãopaulo

 

A justiça do Rio Grande do Sul determinou que dois moradores de um condomínio paguem R$ 15mil de indenização à sindica do prédio.

Na ação, a mulher alegou que sofria preconceito velado dos moradores desde que se mudou para o edifício apenas porque demonstrava afeto junto a outra mulher, com quem tinha um relacionamento.

Assim que assumiu o cargo de sindica, a mulher viu o preconceito se tornar ostensivo. Ela foi chamada de termos como “machorra” e “mulherzinha”, além de outras ofensas como “ladra” e “filha da p***”.

Ex-funcionários do edifício serviram como testemunhas. Eles presenciaram os réus arrecadando assinaturas para tentar remover a mulher de seu posto e se referindo a ela nestes termos.

Na primeira instância, a 1* Vara Cível do Foro Central da Comarca de Porto Alegre julgou improcedente o pedido de indenização.

A mulher recorreu e a 10* Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grade do Sul reformou a sentença e determinou o pagamento do valor à demandante.

 
 
@ricardo_viotti